29.5.17

Analisando a música: Take On Me (A-Ha)

O quarto episódio da terceira temporada de The Leftovers (que temporada incrível) é encerrado com essa música do A-Ha depois de uma cena intensa entre o casal principal. Esse clássico dos anos 1980 tocou antes no meio do episódio num jogo de "adivinhe a música" entre duas colegas de trabalho (ou parceiras) e aquela introdução super conhecida já gruda na sua cabeça.

No fim do episódio ela vem carregada de um significado que eu nunca tinha atribuído a música, mesmo porque nunca tinha prestado atenção na letra, e embala uma das cenas mais tristes e bonitas da série. Aí fiquei com vontade de analisar essa música da banda norueguesa mais conhecida no mundo (ou vocês conhecem outra banda norueguesa?).

O A-ha foi formado por três rapazes (Morten, Pal e Magne) em Oslo em 1982. Em 1985 eles viraram um sucesso mundial com um som new wave meets synthpop que na época estava no auge. O primeiro album Hunting High and Low é cheio de hits (Take on Me é um deles, The Sun Always Shines on TV e Hunting High and Low). Em 1986 eles lançaram Scoundrel Days (que tem a ótima I've been Losing You) e em 1988 teve o Stay On These Roads (que tem Living Daylights a música de um dos 007, e mais uma penca de hits: Stay On These Roads, a animada You Are The One, a divertida Touchy e There's Never A Forever Thing - ótimo título e filosofia de vida).

Confesso que depois do quarto album, de 1990, East of The Sun West of The Moon (que tem Crying in The Rain) deixei de acompanhar o A-ha por motivo de: abracei o grunge com vontade. Mas cheguei a ir a um show deles na primeira vez que vieram ao Brasil em 1989.

Em 2009 os rapazes do A-Ha resolveram se separar mas voltaram em 2015, lançando o album Cast in Steel e fazendo shows (inclusive estiveram no Rock in Rio 2015 aqui no Brasil).

É uma banda muito simpática, divertida, os noruegueses seguem a tradição escandinava de fazer música pop (os suecos são mestres nessa arte), o vocalista Morten é bonitão e tem uma voz delícia nos graves e ainda consegue dar um falseto agudo como poucos.

Vamos falar de Take On Me, o primeiro sucesso da banda, uma música que gosto muito e que, apesar de grudar na sua cabeça por um bom tempo, não fica chata. Take On Me tem uma versão anterior, de 1984, que não é tão boa quanto a de 1985, até fizeram um video (que também não chega aos pés do mais conhecido - no fim do post). Felizmente algum produtor musical resolveu dar um beat mais animado a música e virou o sucesso mundial. Take On Me sobreviveu aos anos 1980 e hoje está aí numa das melhores séries de 2017 e ainda gruda na sua cabeça.

Mas o que diz a letra de Take On Me? Vamos analisar.

(começa com aquela introdução que todo mundo faz teclado imaginário)

We're talking away
I don't know what
I'm to say
I'll say it anyway
Today is another day to find you
Shying away
I'll be coming for your love, ok?

Essa música pode ser uma DR ou uma declaração ou um pedido. Ele começa dizendo que estão jogando conversa fora, ele não sabe o que deve dizer mas vai dizer de qualquer jeito. E o que ele diz? "hoje é um outro dia para te encontrar fugindo, mas estou indo atrás do seu amor, ok?". Resumindo: eles estavam de bobeira papeando, ele sabe que ela não quer muito falar no assunto mas ele decidiu colocar as cartas na mesa dizendo que está a fim dela.

Take on me
Take me on
I'll be gone
In a day or two

O refrão é basicamente ele dizendo que quer ficar com ela e quer reciprocidade, mas ele está indo embora em um dia ou dois. Como assim vai embora? Desse jeito fica difícil ela se decidir.
Demorei anos para entender que nesse agudo ele fala "In a day or twoooo".

So needless to say
I'm odds and ends
I'll be stumbling away
Slowly learning that life is OK
Say after me
It's no better to be safe than sorry

"Nem preciso dizer que sou insignificante, mas mesmo tropeçando estou aprendendo que a vida é OK." Amigo, cadê sua autoestima? Aí ele joga uma frase para ela refletir e repetir: "Não é melhor ser seguro do que estar arrependido". Traduzindo: é melhor se arrepender do que fez do que o que não fez.

Take on me
Take me on
I'll be gone
In a day or two

Mais uma vez o refrão seguido de outra parte ótima para teclado imaginário.

The things that you say
Is it a life or
Just to play my worries away
You're all the things I've got to remember
You're shying away
I'll be coming for you anyway

Aqui acho que ela está na dúvida (afinal ele vai embora em um ou dois dias né?) e deve dizer coisas que o confundem. Aí ele diz que ela é tudo que ele tem para lembrar, e que mesmo ela se esquivando ele vai atrás. Talvez eles já tenham tido um relacionamento e ele quer voltar, ou não quer não acabe.

Take on me
Take me on
I'll be gone
In a day or two

E ele continua pedindo para ela ficar com ele, mesmo ele indo embora. Ou será que ele diz que vai embora no sentido que se ela não quiser ele desiste (mas que ela tem até dois dias para decidir)?

Enquanto ela não decide a gente toca piano, teclado, sintetizador imaginários.

O video dessa música é outro clássico por si só. Na época foi uma revolução e até hoje é um dos melhores videos de música já feitos.



E acho que os roteiristas/produtores de The Leftovers escolheram essa música não só pela letra, mas também pelo video que tem todo um significado próprio.

A história desse video até tem um desfecho que acontece no início do video de The Sun Always Shines on Tv. E tem outro na mesma linha que é o de Train of Thought.

Nenhum comentário:

Postar um comentário