31.3.17

Museu da Fotografia de Fortaleza



Ontem fui conhecer o Museu de Fotografia que foi inaugurado no início de março.


Esse museu surgiu da coleção particular do empresário Silvio Frota. Ele tem mais de 2000 mil obras e resolveu construir um museu para expor (e dividir com o resto da sociedade) algumas de suas fotos.

Fotografia merece um museu. É arte e é também como documentamos tudo desde o fim do século 19.

O prédio do museu foi todo reformado (era uma escola de línguas antes), quase reconstruído, e o projeto ficou muito bonito.

Dentro está tudo muito bem organizado e os funcionários são muito prestativos.



São três andares de fotos. No primeiro andar a moça me disse que era uma exposição temporária e é lá que estão as fotos mais conhecidas de fotografos famosos como o Cartier-Bresson, Sebastião Salgado e o Steve McCurry.



No segundo andar é o acervo permanente e muitas fotos mostrando os diferente olhares. É um andar com muitos retratos de pessoas.



O terceiro andar é dedicado ao Norte e Nordeste. São fotógrafos regionais ou outros que retrataram as regiões. Tem uma parede dedicada ao Chico Albuquerque, fotografo cearense que fez muitas fotos de jangadas, pescadores e foi fotografo em cena do Orson Wells quando este veio filmar It's All True (sobre os jangadeiros que foram até o Rio de Janeiro pelo mar).



Tem uma lojinha com livros de fotografia e um café.

Gostei muito desse museu, a visita foi muito agradável e irei outras vezes

Abre de quarta a domingo, das 12 as 17, custa R$10. Quarta-feira é grátis.


(desculpa as fotos na vertical, é quase um pecado mostrar um museu da fotografia com essas fotos, mas é que fiz tudo no snapchat e a linguagem lá funciona assim)

29.3.17

Sobre remakes

No início desse mês saiu uma notícia que iriam refilmar Matrix mas já disseram que não vai ser nem remake nem reboot.

Remake é refilmar uma nova versão que pode ou não ter algumas diferenças. Reboot é recomeçar a série fazendo um filme novo muito parecido com o anterior com algumas diferenças, como ficam fazendo com o Batman e Superman.

Nada contra remakes nem reboots afinal tem alguns que são ótimos como: Os Infiltrados (remake de um filme coreano), A Mosca de 1986 (remake do filme de 1958), Scarface de 1983 (remake do filme de 1930), Vanilla Sky (remake do filme espanhol), Batman Begins (reboot da série do Batman pelo Christopher Nolan), O Despertar da Força (que dizem que não é, mas todo mundo sabe que é um reboot de Star Wars), Planeta dos Macacos (teve remake em 2001 e reboot em 2011 dos filmes da década de 1970), etc.

Não sei se eu me interessaria em ver um reboot ou remake de the Matrix. Talvez só se garantissem que o Keanu Reeves estaria no filme, mas vamos ver o que esse pessoal vai aprontar e se chegar aos cinemas decido se verei ou não.

Mas eu queria falar de outro filme do Keanu Reeves que ganhou um remake (não muito bom).

Caçadores de Emoção  (Point Break) é um dos meus filmes favoritos da década de 1990. Vi umas 3 vezes só no cinema. Esse filme de 1991 tem Keanu Reeves e Patrick Swayze nos papéis principais e foi dirigido pela Kathryn Bigelow (que em 2010 foi a primeira mulher a ganhar um Oscar de melhor direção por The Hurt Locker).

A trama é básica: um grupo está roubando bancos na California e o Keanu Reeves é o agente novato do FBI que foi designado com seu parceiro boa praça a investigar o caso. O parceiro do Keanu tem uma teoria que os ladrões são surfistas. Keanu então decide ter umas aulas de surf para ver se encontra os ladrões enquanto pega uns tubos. Nessas sessões de surf com uma surfista local que ele arranjou como professora, o Keanu acaba conhecendo o Patrick Swayze e seu bando.

A galera do Patrick Swayze é bacana, eles surfam (e fazem outros esportes radicais), vivem numa boa, na praia, planejam viagens pelo mundo e estão buscando o eterno verão.

Claro que o Keanu depois descobre que Patrick and friends são os ladrões e aí tome ação e perseguição. Acontece que esses ladrões apenas queriam din din para manter seu vício em adrenalina, roubavam bancos mas não machucavam ninguém - até Keanu descobrir tudo. No fim Patrick consegue fugir e pegar a sua mega onda (fatal) em Bells Beach na Australia, MAS houve um aprendizado por parte do Keanu Reeves de que a vida não é só escritório e que o mundo está aí para ser visto e experimentado.

Pula para 2015 e o remake de Caçadores de Emoção. É tanto uma refilmagem que os nomes dos personagens são os mesmos. Johnny Utah que era Keanu agora é o australiano (e, sim, tomou leitinho) Luke Bracey e Bodhi deixou de ser um loiro californiano Patrick Swayze e virou um morenão Edgar Ramirez.

Nessa nova versão o Johnny Utah é um motoqueiro de esportes extremos que depois de um acidente com seu BFF decide virar policia e entra no FBI. Deram uma backstory para o Johnny Utah que no outro filme a gente só sabia que ele tinha sido jogador de futebol americano.

Johnny se forma no FBI e mandam ele trabalhar num caso que envolve ladrões que roubam usando técnicas de esportes radicais e algumas armas. Esses ladrões roubam, não ficam com o dinheiro/diamantes/whatever, eles distribuem, mas eventualmente usam suas metralhadoras. Johnny super esperto logo saca que eles estão atrás de completar uma lista de façanhas que os vai levar até o Nirvana. Isso mesmo, ladrões esportistas radicais new age. E patrocinados por um ricaço árabe.

O parceiro do Johnny no FBI nesse filme está lá só para ser do contra.

As cenas de ação desse filme são superiores as do filme de 1991, afinal devem ter tido uma produção maior ($$$) e as técnicas de filmagem tiveram um upgrade. Tem menos surf mas tem mais paraquedas, esqui e escalada. E uma volta ao mundo.

Mas o fim é a mesma coisa, Johnny se dá o trabalho de ir até o meio do oceano só para ver Bodhi filosofar sobre a vida, universo e tudo mais, pegar a maior onda de todos os tempos ever e provavelmente morrer.

Agora me digam, precisava desse remake? Tirando as cenas de ação, o original é superior em tudo, especialmente na ligação que o Keanu Reeves tem com o Patrick Sawyze. Essa relação tem mais significado porque o Keanu Reeves não era dos esportes radicais, não era um cara que via outra possibilidade na vida que não trabalhar no FBI. Já no filme novo o Johnny já vinha desse mundo e o Bodhi só fez atiçar a vontade dele de voltar.

E vamos combinar que não tem leitinho que o Luke Bracey tenha tomado que vai faze-lo chegar aos pés do Keanu Reeves.

Pessoal que quer fazer um novo Matrix, tenho um conselho para vocês: pensem bem.

keanu surfista 

(Caçadores de Emoção de 1991 tem no Netflix, fica a dica.)

5.3.17

50 Tons Mais Escuros

Para começar: Não li os livros.

Vi o primeiro filme, 50 Tons de Cinza e, como contei no post que escrevi, tirando os diálogos péssimos e a falta de química entre os atores, não achei o filme ruim. Disse também que a história deveria ter terminado ali com a Natasha (que eu chamo de Tatá) dando aquele NÃO na cara do Mr. Grey.

Mas pelo jeito o pessoal achou que tinha que ter continuações. Como eu não sou de abandonar uma série cinematográfica (vi todos os filmes da série Crepúsculo, também vi todos Velozes e Furiosos, mas isso é outra história) fui ver o segundo filme de Mr. Grey e Tatá.

Então vamos ver o que tem nesses tons mais escuros de cinza. Com SPOILERS, óbvio.

O filme começa com Tatá toda independente, trabalhando numa editora com um chefe bonitão chamado Jack. Ela recebe umas flores do Mr. Grey e só não joga no lixo porque são muito bonitas, mas eles ainda estão separados. Até fiquei orgulhosa da Tatá por alguns segundos, mas já sabia que essa separação não ia durar.

Tátá vai na exposição fotográfica de seu amigo e descobre que o que está exposto são fotos suas que ela não autorizou. (Tatá, acho que cabe uma processo aí, hein?) Claro que todas as fotos são vendidas para uma pessoa e.....wait for it.....zero mistério.....foi para o Mr. Grey. Oh, really?

Mr. Grey chega lá com cara de psicopata (a melhor cara que o Jamie Dornan sabe fazer e dá medo) dizendo que nunca teve que correr atrás de ninguém antes e quer só conversar. A Tatá a princípio nega mas aí sente todas aquelas formigas nas calças e aceita jantar com Mr. Grey "só porque estou com fome.". Aqui comecei a revirar os olhos Liz Lemon style que só parei depois das letrinhas finais do filme.

eu até o fim do filme

Tatá e Mr. Grey conversam, ele diz que quer mudar, que aceita renegociar os termos do contrato, ela fica desconfiada mas como Mr. Grey, além de insistente, é HOT HOT HOT ela cede mas dizendo que não há regras nem castigos. E nada de sexo ainda porque Tatá quer ir devagar.

Jack chama Tatá para uns drinks de trabalho, ela vai mas chama o Mr. Grey. Quando ele chega lá já sacou que o Jack quer um pedaço da Tatá e acontece uma medição peniana no estilo "Eu sou o namorado." e "Eu sou o chefe.". Afff que os olhos doeram do tanto que revirei.

Ah, esqueci que na saída do trabalho com o Jack, a Tatá vê que tem uma moça que está a observando.

Tatá e Mr. Grey vão cozinhar na casa dela e acabam fazendo coisas mais interessantes. Pelo menos a química entre os atores melhorou um pouco.

Mr. Grey chama Tatá para uma festa na casa de seus pais, mas Tatá diz que não tem roupa nem sabe o que fazer com o cabelo. Mr. Grey diz "Xá, comigo!" e a leva num salão chique. Acontece que a dona desse salão é a Kim Basinger que foi quem iniciou Mr. Grey no mundo sadô-masô. Quem viu 9 Semanas e 1/2 sabe do que a Kim Basinger é capaz. Tatá fica com raiva que Mr. Grey a levou lá e exige saber tudo da moça que a está perseguindo (que vem a ser uma antiga submissa de Mr. Grey que está com ciúmes da Tatá.) Tatá diz que quer mais intimidade, que quer passar a mão no peito do Mr. Grey, mas ele desenha com batom as fronteiras onde ela pode passar a mão e a área do coração não está incluída. (insira 500 revidadas de olhos aqui)

Tatá e Mr. Grey vão na festinha, ele fala umas cafonices para ela, fogem para se exercitar no quarto e lá Tatá vê uma foto da mãe biológica do Mr. Grey, que era uma junkie e morreu de overdose. Mamãe Grey que é igual a Tatá e a todas as submissas que ele pega. Nem precisa do Freud para explicar isso.

Kim Basinger está na festa e diz para Tatá que esse relacionamento não vai dar certo porque Tatá não consegue dar a Mr. Grey o que ele precisa (que é uma submissa em tudo). Mas Tatá acredita que Mr. Grey está mudando. Tatá e Mr. Grey voltam para casa mas alguém conseguiu furar a segurança e eles tem que dormir em outro lugar onde Mr. Grey precisa ficar shirtless e tomar um banho porque a marca do batom ainda está lá intacta (Mr. Grey só usa batom 24hr).

(Parenteses para dizer que Taylor ainda é o motorista do Mr. Grey e deveria aparecer mais.)

Mr. Grey mostra o que seu veleiro enorme faz para Tatá, e isso não é um eufemismo.

No trabalho Jack diz a Tatá que ela tem que ir com ele para NYC a trabalho. Tatá avisa para Mr. Grey mas ele diz que na na ni na não. Depois de uma mini DR Tatá aceita as razões de Mr. Grey e diz para Jack que não vai para NYC. Nesse momento achei que perderam a oportunidade de fazer esse filme menos ruim. Quando Tatá informa ao Jack que não vai para NYC ele até começa argumentando bem mas logo vira um babacão que tenta seduzir e passar a mão na Tatá. Se tivessem mantido ele um cara legal com bons argumentos para Tatá focar no trabalho, teria surgido um triângulo amoroso interessante, mas escolheram o caminho do vilão Dick Vigarista.

Jack perde o emprego e Tatá vira a nova editora chefe (ela era assistente).

Mr. Grey pede para Tatá morar com ele (depois de algumas cenas mais ou menos calientes), ela aceita e vai buscar a escova de dentes. Pausa. Se ela estivesse indo pegar algum documento tipo carteira de identidade, passaporte, ou até certidão de nascimento eu entenderia, mas fucking escova de dentes?? Será que Mr. Grey que tem uns 100 vestidos de alta costura no armário, ainda com etiqueta, para ela escolher não teria algumas escovas de dentes novas em casa? Ok, respira, revira os olhos e segue.

Na hora que Tatá está saindo do banheiro ela dá de cara com a tal submissa que está armada e "mimimi o mestre deixa você chamá-lo pelo primeiro nome, mimimi" e PAH! Atira mas não acerta Tatá. Mr. Grey chega correndo e logo mostra sua capacidade de adestrador transformando a submissa em praticamente um cachorro. Tatá fica assustada, com razão, e foge.

Mas ela volta para o Mr. Grey, eles tem uma DR e ele finalmente assume que não é dominador, que é sádico de fato, com vontade. Ele sabe que tem problemas mas diz que Tatá é a coisa mais importante da vida dele e que deixou a vida de dominador para trás. Ela diz que quer acreditar e ele a convence.

Estou achando que Mr. Grey é mesmo um hipnotizador, porque não é possível todas essas mulheres caindo em tanta conversa cafona.

Mr. Grey pede Tatá em casamento, mas ela ainda não aceita. Claro que a essa altura do campeonato ela vai se fazer de difícil. Não sei como ela resistiu Mr. Grey shirtless fazendo equilíbrio no cavalo de ginástica olímpica.

Aí vem a PIOR parte do filme, é desnecessária e mal feita. Mr. Grey vai a negócios para Portland e na volta tem um acidente de helicóptero. Claro que nada acontece com ele, nem um arranhão. Isso é só para Tatá se dar conta que quer ficar com ele.

No fim tem outra festa na casa dos pais do Mr. Grey onde ele oficializa o pedido de casamento. Kim Basinger está lá, fica #xatiada que Mr. Grey vai casar e diz para Táta que ela é apenas mais uma interesseira e que Mr. Grey não vai conseguir ficar casado. Tatá desperdiça um drink na cara da Kim Basinger e Mr. Grey chega para dizer a frase mais vergonha alheia da década: "Você me ensinou a foder, ela me ensinou a amar."

Vocês acham que acaba aí? Não. Claro que iam deixar um gancho para o próximo filme, afinal é uma série. Vou colocar aqui uma foto da cena final:

ex-chefe jack vigarista bolando seu plano

Como disse, não achei o primeiro filme ruim, até achei o final digno, mas esse segundo é ruim. Dei algumas risadas porque os diálogos conseguem ser piores do que o primeiro filme. Gente, vocês que leram os livros, esses diálogos vem dos livros? A escritora exige isso nos filmes (afinal, ela é também é produtora dos filmes)? Dá para ver na cara dos atores que eles se esforçam para falar essas besteiras sem rir.

E a trilha sonora? A do primeiro filme é muito boa, mas nesse segundo optaram pelas óbvias. Colocaram So Lonely do The Police (que adoro!) na cena do Mr. Grey malhando shirtless. Acho que Solange, a versão do Leo Jaime para essa música, teria sido uma escolha melhor.

Acho a Tatá da Dakota Johnson até boa, mas sei que ela consegue fazer sexy bem melhor e falar diálogos bons com segurança (vide A Bigger Splash). Jamie Dornan é lindo, shirtless digno, pantless digno, cara de psicopata interessante, mas precisa melhorar a cara de segurar riso na hora de falar os diálogos.

Esse filme é sorvete de baunilha. Com passas. Eca.

A Tia Helô teria fechado os olhos nas cenas calientes, mas acho que ela ia gostar do Mr. Grey mais fofo. 416 "Ai, Jesus!" para cada vez que eles abrem a boca para falar.

(Queria dizer que achei Wolverine idoso muito mais sexy num filme para lá de violento.)


2.3.17

Logan

Ontem me dei conta que o Hugh Jackman está na pele do Wolverine há 17 anos. É muito tempo e muitos filmes. Ele está em todos os 6 filmes dos X-Men e mais 3 só do seu personagem (incluindo esse novo).

Os dois primeiros filmes do Wolverine não são tão bons quanto os dos X-Men. Na verdade só a primeira parte do primeiro filme é boa, o segundo filme é todo mais ou menos. Mas acho que para esse terceiro filme, e último com Hugh Jackman, alguém bateu o pé e disse: vamos fazer um filme digno do Wolverine! E fizeram.

no trailer fiquei com vontade de ver.

É um filme adulto de superherói. A censura é 16 anos, mas poderia ser 18 anos pelo tanto de violência que tem na tela. Foram a fundo na essência do Wolverine. A violência faz parte da história, e não são só arranhões que o Logan faz com as garras.

(sim, é mais violento que Deadpool)

Esse filme se passa no futuro próximo, em 2029, e pelo que entendi não tem mais mutantes na terra. Logan está mais velho, afinal ele já tem mais de 100 anos. Wolverine não é imortal, ele apenas tem uma capacidade regenerativa absurda e que, pelo que entendi, depois de uma certa idade (uns 170 anos) e talvez algum tipo de envenenamento pelo adamantium, essa capacidade não é tão eficiente quanto antigamente.

Então temos um Logan cansado, cabelos grisalhos, afogado no whiskey e trabalhando como motorista de limousine. Ele mora com um outro mutante albino que o ajuda a cuidar do Charles Xavier, isso mesmo Professor X ainda vive (na casa dos 90). Acontece que Charles também está velho com alguma doença mental, e doença mental naquele cérebro é muito, muito perigoso.

Logan está tentando juntar um din din para comprar um barco e viver com Charles no meio do mar onde ele vai ficar livre das vozes, mas, como nada é fácil na vida do Logan, um dia aparece uma mulher com uma criança querendo que o Wolverine as leve até a fronteira com o Canadá.

Pausa para dizer que nesse futuro os X-Men viraram histórias em quadrinhos e action figures.

No meio disso tudo o cara que persegue Pablito em Narcos resolveu perseguir Wolvie nesse filme porque ele agora trabalha para uma empresa que faz experimentos genéticos em crianças e quer a menina.

Essa menina...a Laura....é eficiente. Só vou dizer isso.

Daí para frente temos Logan, Charles e Laura na estrada. E um exercito atrás.

É um road movie selvagem.

Gostei desse filme, tem muita violência mas tem emoção. Dificilmente vão achar outro Wolverine tão bom quanto o Hugh Jackman (leitinho australiano do melhor!).

A Tia Helô ia fechar os olhos, mas abriria uma brecha para ver Wolvie trocando de camisa. 924 "Ai, Jesus!" para as garras do Logan.