27.6.15

Book Report: Beautiful You - Chuck Palahniuk



(Esse livro saiu aqui no Brasil como Climax)

O Chuck Palahniuk gosta de experimentar com seus livros. Gosto muito dos livros dele. As narrativas são sempre diferentes e as histórias todas tem um pouco de bizarro. Já li: Clube da Luta, Lullaby (muito bom e ótimo para iniciar), Rant (esse exige muita atenção), Choke, Damned, Tell All,  Diário e Assombro. Um crítico do NY Times disse que Chuck não escreve para turistas.

Além da bizarrice que é comum nos livros do Chuck Palahniuk, uma coisa que ele faz muito bem é descrever o corpo humano e tudo que pode acontecer com esse aglomerado de células em ricos detalhes (as vezes poéticos e outras vezes nojento mesmo, mas você continua lendo com interesse).

Peguei esse Beautiful You para ler no Kindle só porque era dele, sem saber do que se tratava. É um livro sobre sexo (vide o título quase spoiler em português).

Acho que o Chuck Palahniuk viu o sucesso que 50 Tons de Cinza fez e decidiu fazer sua versão. Ou uma provocação. (Não li 50 Tons mas vi o filme)

Nesse livro temos uma garota, Penny, que veio do interior para NYC, se formou em direito mas ainda não passou na OAB e trabalha meio que de secretária num escritório famoso. Um dia Penny entra numa sala que não devia, tropeça, cai no chão e para ajudá-la aparece o homem mais rico do mundo, Maxwell. (coincidência com o livro do Mr. Grey? Acho que não.)

Max é um cara bonito e charmoso (claro) e chama Penny para jantar. Eles engatam um namoro mas sem sexo no início. Penny sabe que ele namorou mulheres poderosas (a Presidente dos EUA e uma atriz super oscarizada) e fica insegura no início. Depois de um jantar em Paris (sim, ele também tem um jatinho), Penny decide que é hora de ver o que o Max tem. E ele tem um bocado de coisa para mostrar. Ui ui ui. Ele é conhecido como CliMaxwell.

Ele também faz ela assinar um contrato mas é de sigilo. Ele quer lançar uma linha de produtos sexuais direcionados as mulheres chamada Beautiful You, e experimenta os top de linha na Penny. Exaustivamente. Anotando tu-do.

Claro que Max não é um cara qualquer, tem um passado misterioso, as mulheres que ele namora sobem na vida mas seus relacionamentos não duram mais do que 136 dias. As intenções do Max com a linha de produtos vão muito além do prazer feminino. (O slogan da empresa é "um bilhão de maridos serão substituídos".)

Achei a leitura divertida.

15.6.15

Game of Thrones 5a temporada

A quinta temporada terminou, então vamos ao que aconteceu.

Com spoilers. Óbvio.

Os Lannisters

A temporada começou mostrando um flashback da Cersei e ela já era essa mente maquiavélica desde criança. Depois do velório do Papai Lannister, Cersei recebeu uma cobra da esposa do Oberyn e mandou o Jamie ir até as terras ensolaradas de Dorne atrás da filha dos dois.
Cersei viu seu filho, o Rei, casar com a Marjorie e as duas passaram um bom tempo trocando farpas. Marjorie tentou mandar a sogra para outro castelo e nessa briga a Cersei fez uma das maiores burradas: conveceu o reizinho a dar poder a um grupo religioso.

A intenção dela era castigar a Marjorie e seu irmão sem sujar as mãos, mas ela esqueceu que seu teto era de vidro (e que a vó da Marjorie é esperta), acabou encarcerada e teve que pedir perdão por seus pecados (mas ela só confessou ter traído o marido com o primo e ficou caladinha sobre seu amor incestuoso). A Cersei teve que cortar o cabelo e atravessar a cidade pelada. Confesso que sempre achei que a Cersei não valia nada mas me peguei torcendo para ela chegar logo no castelo e aguardo a vingança dela.

O Montanha que matou o querido Oberyn na temporada passada virou uma espécie de monstro de Frankenstein.

Tyrion sobreviveu a viagem de navio dentro da caixa, depois passou mais um tempo bebendo muito e viajando com o Careca Eunuco a caminho de encontrar a Mother of Dragons. Um dia ele foi tentar se divertir num bordel e foi capturado pelo Sir Jorah. Os dois seguiram viagem de barco, passaram um um pessoal de pedra, viraram escravos e acabaram no coliseu da Mother of Dragons.

O anão teve a melhor entrevista de emprego ever e agora está cogitando governar Mereen.

Jamie teve uma trama muito boba, foi até Dorne resgatar a sobrinha/filha, apanhou das filhas do Oberyn e acabou conseguindo um acordo com o rei de lá para levar a sobrinha/filha de volta. Acontece que ele não contava com a astúcia da esposa do Oberyn que envenenou a filha dele com um beijo. (alías que novela mexicana essa parte em Dorne)

Núcleo Mother of Dragons

A Mother of Dragons estava tendo muitas dificuldades em governar Mereen. Não tinha conselho que desse jeito, nem do namorado bonitão dela. Um grupo de rebeldes se organizou e passou a aterrorizar o reino dela. Mother of Dragons liberou as lutas estilo gladiadores, contratou o anão e mandou o sir Jorah pastar na friendzone mais uma vez.

Sir Jorah é brasileiro e não desiste nunca e voltou para lutar no coliseu. Sorte da Mother of Dragons que ele viu os rebeldes de máscara dourada tentando um ataque e foi para luta. A Mother of Dragons se viu em perigo mas seu dragão favorito veio salvá-la cuspindo fogo para todo lado. O Dragão a levou para um lugar mais fresquinho onde ela se viu rodeada do povo dos cavalos.

O último Baratheon

Stannis começou a temporada bem na fita, mandando em todos na muralha. Ele decidiu atacar Winterfell onde estão os Bolton (os sádicos), mas ele não contava com o inverno que está chegando e nem com a capacidade de sadismo do Ramsay.

Na sede pelo poder o Stannis escutou o conselho da bruxa sacerdotisa ruiva (do inferno) e queimou a própria filha (uma garotinha fofa). Depois disso achei foi pouco o massacre que o exercito dele sofrou e espero que a Brianne tenha cortado a cabeça dele.

(Brienne passou a temporada acampando na floresta com seu escudeiro)


Os Stark (ou o que resta deles)

Sonsa Stark voltou para Winterfell com o Littlefinger que contou uma historinha sobre a tia dela e depois a entregou para casar com o Ramsey. Mais um casamento deprimente nessa série (mas ninguém morreu). No fim, no meio da batalha contra o Stannis, ela conseguiu fugir com o Theon e espero que ela encontre a Brienne.

Arya chegou na terra de seu antigo professor e foi começar um treinamento para ser assassina. Ela começou esfregando o chão e limpando cadáveres. Depois evoluiu, teve que se desapegar da sua vida anterior, da sua identidade e das suas coisas (mas escondeu a espada) e se tornar uma sem rosto. Acontece que a Arya tem uma listinha revenge e quando viu o número um da lista não resistiu e mostrou que ela é a Stark que pode dominar o mundo. No fim como ela saiu do program de treinamento foi castigada por seu mestre com uma cegueira, que espero seja temporária.

E chegamos ao Jon Snow.

Trauma define.

Desde a batalha na muralha na temporada passada o Jon Snow tem meu respeito. Eu já o via como um possível candidato ao trono de ferro, ele evoluiu muito nessa temporada. Jon Snow virou o comandante da galera da muralha (por voto direto).

Jon Snow até resistiu as investidas dicumforça da sacerdotisa ruiva.

Acontece que o Jon Snow é um cara justo, ele viu que o inverno estava vindo rápido e que os selvagens do outro lado da muralha corriam perigo. Ele foi fazer paz e trazê-los para o lado de cá da muralha. A batalha contra os zumbis da neve foi sensacional! Um massacre quase total dos selvagens, Jon Snow quase subiu no telhado, mas descobrimos que os zumbis podem ser destruidos por vidro de dragão e aço Valeriano.

Aliás os White Walkers são poderosos.

Jon voltou para muralha com alguns selvagens. Como ele não sabe de nada, esqueceu que os irmãos da muralha tem a maior birra com os selvagens e o consideraram traidor.

No fim, o pirralho mais insuportável da série deu o golpe final de uma série de facadas que o Jon Snow recebeu dos chapas da muralhara. Morreu? Olha, tinha muito sangue na neve.

KD aquele lobo dele??

Maltido Game Of Thrones. Não me apego a mais ninguém nessa joça.



Então vamos para a sexta temporada sem o Jon Snow (RIP), com Sonsa fugindo, Arya cega, anão governando Mereen, Mother of Dragons capturada e Cersei querendo matar vários. Quem sabe o Bran volta na próxima temporada cheio de poderes.

Agora estou torcendo para os zumbis da neve chegarem na muralha. Chega logo inverno!


(Já fiz um resumo das três primeiras temporadas e da quarta)

11.6.15

Sense 8

Os Wachowskis deixaram todo mundo de boca aberta com o primeiro Matrix. O filme tem uma história ótima, cenas de ação excelentes, o tal do bullet time usado pela primeira vez e o Keanu Reeves (adoro!). O segundo filme da trilogia é ok e o terceiro esquecível, mas o primeiro.... Todo mundo lembra do Morpheus e suas pilulas vermelha e azul.

De lá para cá fizeram Speed Racer (é ok e colorido), o confuso Cloud Atlas e Jupiter Ascending (não vi).

E aí eles vem com essa série da Netflix: Sense 8.

O primeiro episódio apresenta os personagens e até me deixou curiosa, mas foi depois do quarto episódio (e especialmente depois do sexto) que achei que essa série merecia mesmo atenção.

É sobre oito pessoas, em diferentes partes do mundo que, a partir de um certo momento, se veem conectadas compartilhando sentimentos, emoções e experiências. No início é confuso para eles e para quem assiste também, mas com o tempo (e sem precisar ser muito didático, o que achei bom) vamos nos acostumando o que acontece.

Afinal por que e como essas pessoas se conectaram?

Tem uma mitologia e a trama envolve um vilão chamado Whispers e um cara chamado Jonas que tenta ajudar.

Alguns podem até fugir da série por achar que é ficção científica (não sei se é), mas o que importa (nessa primeira temporada) é conhecer bem esses personagens e como o fato de se conectarem afeta suas vidas. Sim, é uma série sobre pessoas. (um beijo Lost!) É difícil ver uma série e gostar de todos os personagens, sempre tem um que não cai bem, mas nessa me peguei gostando de todos (muito amor pelo policial Will e pelo núcleo mexicano).

É bem feita e filmada (a edição de imagens é sensacional), a história é muito boa e tem cenas lindas que certamente se tornarão antológicas (como a cena que mencionei no post da música What's Up.) Tudo embaldo por uma excelente trilha sonora.

Aliás as melhores cenas são as que envolvem uns ajudando os outros e nos momentos de intimidade (tem um que é tão hot hot hot que suei. pronto confessei).

Ver série da Netflix tem um problema: a gente acaba vendo tudo de uma vez e aí tem que esperar muito pela segunda temporada (foi assim com: Demolidor, House of Cards, Bloodline e The Unbreakable Kimmy Schmmidt).

Por outro lado tem a vantagem dos episodios estarem sempre disponiveis. Vou ali matar as saudades do policial Will.

9.6.15

Analisando a música: What's up (4 Non Blondes)

Essa música foi um dos one hit wonders da década de 1990, tocou em todos os lugares o tempo todo em 1992/1993. Parece que em 2015 voltou com força total.

Primeiro foi a versão sensacional que a Kimberly Nicole, uma das cantoras do The Voice, fez nessa última temporada. Depois foi uma cena ótima na nova série da Netflix: Sense 8 (uma série sobre 8 pessoas de diferentes partes do mundo conectadas entre si e de alguma forma sentem e se comunicam umas com as outras). É daquelas músicas que entrou no inconsciente coletivo (e no consciente também).

Como é uma música que gruda na cabeça com força acho que ainda vai tocar muito esse ano.

A banda 4 Non Blondes surgiu em San Francisco em 1989 no começo da onda grunge. É uma banda de mulheres, girl power. A cantora e compositora Linda Perry compôs essa música sentada no corredor de casa tocando o violão. A sua roommate (e bandmate) disse que a Linda perguntou se essa música não parecia familiar como se tivesse escutado antes. Vai ver é por isso que tanta gente gostou da música e virou hit.

A banda separou ainda na década de 1990, a Linda Perry tentou carreira solo e depois continuou compondo e, entre outras, são dela: Beautiful da Christina Aguilera e Get The Party Started da Pink.

What's Up é uma balada. Se é boa ou ruim, pessimista ou otimista, alegre ou não, depende de quem está escutando (e cantando), mas desafio vocês escutarem e não balançar o corpo de um lado para o outro e nem cantar o refrão junto.

Então vamos analisar o que diz a música.

Twenty-five years and my life is still
Trying to find that great big hill of hope
For a destination
And I realized quickly when I knew I should
That the world was made up of this brotherhood of man
For whatever that means

A era do grunge não é uma de músicas muito felizes, foi uma fase que as letras todas tem um tom melancólico quase depressivo e revoltado.
Então ela começa a música dizendo que aos 25 anos a vida esta estagnada e que ainda está procurando aquela montanha de esperança e um destino. (olha que pode chegar aos 30/40 e ainda estar tentando subir a montanha)
E ela percebeu logo, e na hora certa, que "o mundo é essa irmandade de homens, o que quer que isso signifique". Se ela não sabe, como vamos saber? Vamos filosofar. Pode ser que ela quis dizer que it's a man's world e nós, mulheres, temos que nos virar (ainda bem que females are strong as hell). Pode ser que essa irmandade seja de pessoas que mandam no mundo (uma elite qualquer). Pode ser que, num momento otimista, essa irmandade seja uma visão positiva do mundo, todos juntos.

And so I cry sometimes
When I'm lying in bed
Just to get it all out
What's in my head
And I am feeling a little peculiar
And so I wake in the morning
And I step outside
And I take a deep breath and I get real high
And I scream at the top of my lungs
What's going on?

E aí quando esta na cama ela chora para aliviar tudo que está na cabeça. Quem nunca? Ela se sente um pouco especial. De manhã quando ela acorda vai na varanda respira fundo, fica chapada (do ar puro ou de outras substâncias não especificadas), ou vai para o ponto mais alto, e grita bem alto "O que está acontecendo?".

And I say hey hey hey hey
I said hey, what's going on?

Acho que é uma pergunta e um pedido ao mesmo tempo, tipo: Ei, qual é a parada? Alguém me explica o que está acontecendo! Um momento para acordar para valer.
O curioso é que o título da música não é dito nenhuma vez. O refrão é What's going on, e como era o título de uma música famosa do Marvin Gaye, as meninas preferiram chamar esse hit de What's Up.

And I try, oh my god do I try
I try all the time, in this institution
And I pray, o my god do I pray
I pray every single day
For a revolution

Ela tenta mas se sente impotente. (a instituição deve ser a sociedade como um todo) E reza, reza muito, faz dança da chuva, despacho, meditação, para que venha uma revolução.
Acredito que ela queira uma revolução geral, inclusive pessoal.

And so I cry sometimes
When I'm lying in bed
Just to get it all out
What's in my head
And I am feeling a little peculiar
And so I wake in the morning
And I step outside
And I take a deep breath and I get real high
And I scream at the top of my lungs
What's going on?
And I say hey hey hey hey
I said hey, what's going on?

O refrão repetido e todos gritando junto no momento catártico "What's going on?".

Twenty-five years and my life is still
Trying to get that great big hill of hope
For a destination

E aos 25 a vida está parada procurando aquela montanha de esperança. Basicamente a vida é confusa.

Espera chegar nos 30. Whatever that means.


1.6.15

Guloseimas em Copacabana

Copacabana é o mundo. Tudo que tem nos outros bairros, cidades, estados e até alguns países tem aqui. É um bairro que mesmo com um certo ar decadente sempre tem uma novidade.

Não sou gastronomicamente exigente mas tem coisas que gosto de comer. Se envolver chocolate então.....delícia.

Copacabana é um bairro enorme e tem muitas opções, então aqui vai uma lista dos lugares que gosto de frequentar para comer alguma guloseima.

Bendito - é uma loja de biscoitos, de cookies, aqueles americanos bem macios e deliciosos. Também tem brownie e outras coisas mas o biscoitinho é campeão (a variedade é boa). E tem um chocolate gelado que é criminoso.



Guerin - uma padaria francesa que tem pães ótimos, mas o doces são maravilhosos. Tem uma tortinha de frutas vermelhas que uh lá lá, macarons gostosos e o chocolate quente também não fica atrás.

Meloá - um café pequeno, na Santa Clara, que tem uma tapioca de queijo de cabra muito boa, uma torta de mousse de chocolate sensacional e um chocolate gelado muito bom.

Pão e Companhia - uma padaria que também serve café e lanche da tarde no sistema quilo (mas pode pedir tapiocas e omeletes a parte). O pão de queijo é delicioso e o biscoito de polvilho com queijo vicia. Avisei.

Bio Carioca - um restaurante de comida vegetariana (e vegan), tem um bocado de coisa lá sem gluten, sem lactose mas não é sem gosto. Tem uma torta de cacau com morango que é uma delícia.

Sofá Café - esse lugar abriu recentemente atrás do Copacabana Palace. É um café moderno, decoração bacana e tem waffles. Não tomo café, mas para quem gosta é um lugar que você pode até escolher como quer que coem seu café.


E para quem quiser se aventurar até o Leme:

Natu Sucos - a biroska surfista do bairro tem sucos ótimos, o antigripal levanta qualquer um e o pão de queijo é uma delícia. (O açaí também faz sucesso.)

Gaia - que chamo de "o natureba da esquina", é outro restaurante de comida vegetariana, tem um brigadeiro ótimo (de chocolate e de capim limão) e o bolo de cenoura, com cobertura de chocolate óbvio, é muito bom.