31.1.10

Na Australia


Federer e seu 16º Grand Slam. Campeão do Australian Open. Começou o ano tomando leitinho. Eu sou fã.

24.1.10

+Filmes

Up In The Air

George Clooney faz um executivo de uma empresa que é contratada para despedir pessoas, e ele é o melhor que tem. George passa 90% do seu tempo em aviões e hotéis. George voa tanto que é candidato a um clube seleto de pessoas que acumulam 1 milhão de milhas (um milhão!). E ele é super organizado.

George despede as pessoas com tanta competência que se um dia eu fosse ser despedida de algum lugar gosatria que fosse ele a me dizer.

Paralelo a essa atividade, George também dá palestras sobre uma mochila que não deve estar cheia porque assim fica difícil carregar. Uma metáfora para deixar a vida mais leve possível: sem casa, carro, coisas e família.

Um dia George conhece o seu equivalente feminino e passa a se encontrar com ela em diversas cidades onde suas agendas coincidem.

E no meio de tudo isso George tem que ser mentor de uma novata que insiste que esse trabalho de despedir pessoas pode se feito via internet.

Eu gostei de Up In The Air, achei os créditos inicias fantásticos, George é sempre bom, descobre que as vezes a mochila precisa pesar um pouco e cada um se adapta a vida que tem.

A Tia Helo ia cair no charme do George, 23 "Ai, Jesus!" para Amor Sem Escalas (o título ridículo em português).



It's Complicated

Janey (Meryl Streep) um dia foi casada com Jake (Alec Baldwin), tiveram 3 filhos e se divorciaram. Pelo que dão a entender, não foi um divórcio pacífico, pelo menos nos primeiros anos. Jake traiu Janey com uma mulher mais nova. Dez anos depois do divórcio todos meio que se dão bem.

Na formatura do filho mais novo Janey e Jake se encontram no bar do hotel, relembram bons tempos, ele diz que a esposa que ter filhos (mas ele não), bebem, dançam e "home, sweet home".

Jake e Janey passam a ter um caso. No meio disso aparece o Steve Martin como arquiteto da reforma da casa da Janey e interessado nela.

Encontros secretos, um baseado turbinado, bolo de chocolate, croissants de chocolate, computador e algumas verdades (porque é sim complicado) fazem esse filme super divertido.

E tem o Jim do The Office (John Krasinski) fazendo as melhores observações. Eu coração Jim.

A Tia Helo ia achar lar, doce lar um pouco demais, 213 "Ai, Jesus!" para Alec, Steve e Meryl.


An Education

Jenny é uma menina inglesa que estuda muito para ir para Oxford, mas ela também curte livros e filmes franceses e nutre uma vontade de ir à Paris. Seu pai acha que ela tem que dominar logo o latim e passar direto para Oxford, e só assim ela possa ter algum tipo de vida.

Jenny conhece David, um cara mais velho, sedutor e encantador que mostra a menina uma vida cheia de glamour. David é tão sedutor que convece os pais de Jenny a deixá-la sair com ele e seus amigos e até fazer uma viagem a Paris.

Jenny descobre que nem tudo sobre David é legal, mas ainda assim continua.

As professoras de Jenny tentam alertá-la que a vida é um pouco mais do que uma paixão, casamento e outras coisas, mas Jenny só aprende por experiência.

O roteiro desse filme é do Nick Hornby, é delicado e dá uma saudade danada da Inglaterra.

A Tia Helo ia gostar da Jenny, mesmo com alma rebelde, ela é uma boa menina. 47 "Ai, Jesus!" para educação de Jenny.

20.1.10

Outras Tias (6)

A Tia Angela é old school. Ela se recusa a entrar para a era das máquinas digitais, diz que quem tem bate muita foto e nunca vê nenhuma. A Tia Angela a-do-ra bater fotos, leva sua máquina com zoom (carinhosamente apelidada de jumentinha) para todas as festas e reuniões de família. E sempre manda cópias das fotos em que aparecemos.

Hoje no almoço de família, a jumentinha estava lá e junto um pacote da kodak com 5 rolos de filme (eu nem sei onde ela ainda consegue comprar).

O Nick olhou para o pacote de filme e disse: "você já viu o cartão de memória da Angela?"

jumentinha e seu cartão de memória

Pensei em chamar a Tia Angela para participar do projeto 365.

18.1.10

Sobre o Globo de Ouro

Então, ontem teve o Globo de Ouro. Eu só fique acordada até o Robert Downey Jr. levar o prêmio de melhor ator comédia por Sherlock Holmes (que, por sinal, é um filme divertidíssimo). Dormi antes de ver Avatar ganhar melhor filme drama.

O chato do James Cameron ter levado melhor diretor até acho justo, mas Avatar é uma boa experiência, não o melhor filme, ainda mais numa lista com Inglorious Basterds e Up In The Air.

Eu gostaria de ver Crazy Heart que deu o prêmio de ator para o Dude, aka Jeff Bridges. Meryl Streep, fantástica, levou por Julie & Julia. Sandra Bullock por The Blind Side, e ainda agradeceu em alemão. Christoph Waltz, o melhor vilão do ano fácil, levou seu globo pelo Coronel Hans Landa (ele podia ter agradecido em várias línguas para ficar divertido).

The Hangover ganhou melhor filme comédia. Eu ri muito nesse filme, mas preferi 500 Dias com Ela, um dos filmes mais fofos do ano. Aliás seria bom 500 dias ganhar alguma coisa, assim passaria nos cinemas aqui de Fortaleza. (aproveito para reclamar que Onde Vivem os Monstros também não vai passar por aqui, dammit!)

Ricky Gervais fez piada com tudo e com todos. Muitas super engraçadas e algumas constrangedoras, mas ele se saiu bem.

Michael C. Hall, o Dexter, levou prêmio de melhor ator drama, mais do que merecido. E, também por Dexter, John Lithgow venceu coadjuvante pelo serial killer mais assustador da tv em muito tempo. O melhor drama foi Mad Men, que teve uma temporada impecável.

Alec Baldwin ganhou melhor ator comédia. Again. Custa dar um premiozinho para o Steve Carell? E a melhor comédia do ano foi Glee. (é legal, mas eu prefiro The Office).

Juliana Marguiles levou atriz drama, por The Good Wife que é uma série boa, mas ainda está no começo. Toni Collete que faz uma dona de casa com multiplas personalidades em United States Of Tara levou melhor atriz comédia (e eu acho que essa séria é mais um drama).

Jon Hamm e George Clooney estavam de barba. Clooney ficou bem, Jon Hamm nem tanto. Acho que agora tenho um crush no Jason Reitman.

E foi isso. Até o Oscar.

Update: Troféu PduBT dos looks do red carpet.

14.1.10

La Boum

Outro dia eu e a Luizinha estavamos fofocando via msn e ela lembrou de um filme francês do início da década de 80 chamado La Boum. (acho que nem existe dvd, só em vhs e olhe lá)

Acho que esse filme inspirou o John Hughes a fazer todos aqueles filmes teens da década de 80. Como é filme francês, é uma coisa bem mais perto do que acontecia mesmo na época do que os filmes americanos, e os atores eram adolescentes. A Sophie Marceau devia ter uns 14 anos quando fez esse filme.

La Boum é a festa em francês, e o filme é sobre uma menina (a Sophie) que tem um paquerinha, mas os pais dela não deixam ela ir a tal festa. Felizmente a menina conta com a vovó camarada que ajuda ela dar beijos na boca.

Na festa tem aquela hora da dança lenta, momento estratégico, coisa comum na época e em extinção hoje em dia, e a garotada aproveita para dar um chega mais, e uns beijinhos.

A cena romântica é quando a menina está na festa, todo mundo dançando um rock qualquer e o garoto chega com uns fones de ouvido e coloca nela. Música lenta, óbvio. Não era qualquer música lenta, era a música tema do filme, uma coisa cafonérrima chamada Reality cantada por um tal de Richard Sanderson (quem?).

Não foi por nada disse que a gente lembrou do filme, foi por uma cena engraçada. A garotada vai no cinema e um dos meninos compra pipoca, faz um buraco estratégico no balde de papel, coloca no colo (entenderam né?) e oferece pipoca para menina que enfia a mão no balde. Só meninos franceses da década de 80 teriam essa idéia

Teve o segundo filme, mas esse nós nunca assistimos.

13.1.10

Conversas iPodianas (14)

Sex, drugs and rock n' roll.

- I Wanna Be Sedaded - The Ramones
- Miracle Drug - U2
- Desire - The Raconteurs
- Instant Pleasure - Rufus Wainwright

5.1.10

Project 365

Eu gosto de bater fotos, mas não faço com tanta frequência. Geralmente bato mais fotos quando viajo. Então eu vi no Drieverywhere que o marido dela ia começar o Project 365 via Flickr.

O projeto consiste em bater, pelo menos, uma foto por dia durante um ano. Aí é só colocar a foto escolhida no Flickr e dar uma explicação, ou escrever qualquer coisa, ou não. Achei uma boa idéia, e um bom exercício de fotografia e de observação. Até com uma máquina simples como a minha dá para participar, basta ter vontade, disciplina, lembrar de levar a máquina para todos os lugares e nunca perder a oportunidade de uma foto.

Me inscrevi no grupo Project 365 (que já tem 14mil membros e fotos marvilhosas), e criei um set na minha página para as fotos. Comecei dia 01/01/2010 (mas pode começar em qualquer dia do ano) e já tem algumas fotos por lá.

A foto 1/365 é essa:
a nossa fogueira de 2010

A minha prima Lea também aceitou o desafio.

#ficaadica